Modelo editorial colaborativo: uma forma coletiva de fazer e distribuir livros

cartoneria en brandsen

Foto: pessoal da Editora Eloísa Cartonera em Brandsen

Sim! existem muitas pessoas que sabem e gostam encadernar livros, e também muitos escritores interessados em público. Nosso único desejo é de criar uma forma de intercâmbio entre estas pessoas, e se possível entre elas e os leitores.

Uma editora colaborativa como a Monstro dos Mares é um conceito, não uma instituição. Assim, não existe apenas uma única forma para fazê-la existir. A ideia básica é que os escritores criem conteúdo, repassem para os encadernadores, e estes, confeccionem o livro-objeto de forma artesanal, que em breve estará nas mãos dos leitores. Basta então tornar possível esta união, mais ou menos assim:

  • Que o leitor possa solicitar os livros que quer ler, pagando um preço justo por ele.
  • Que o encadernador tenha acesso à obra do autor, de forma que possa imprimi-la e enviá-la ao leitor, recebendo sua parte pelo trabalho exercido.
  • Que autor e encadernador possam criar uma relação de cooperação, onde o autor escreve e envia seus livros para os encadernadores, e recebe sua parte devida.

O processo é simples: depois de definida a edição, a Monstro dos Mares recebe do autor o texto no formato bruto, imprime, encaderna e envia aos pontos de venda. Quando vendidos, o montante dos recursos conquistados são repartido entre vendedor, autor, editora e fundo de lançamento de novas publicações.

Confecção artesanal de livros

A encadernação de um livro, no formato tradicional, pode ser feita simplesmente prendendo as folhas e passando cola. O material pode ser impresso por computador, ou simplesmente a partir de tradicionais fotocópias. O procedimento é simples:

  1. O autor cria o conteúdo
  2. O texto é editado utilizando um processador de texto comum ou software de editoração eletrônica
  3. O material é impresso
  4. As folhas são cortadas, usando uma tesoura, estilete e régua ou guilhotina
  5. As páginas são coladas ou costuradas
  6. A capa é anexada ao conjunto
  7. Registra-se com um carimbo o número do exemplar

O custo é acessível, pois o maquinário varia de uma tesoura a um computador com impressora. O mais importante é que neste método o custo por exemplar é “plano”, ou seja, tanto faz um ou um milhão de exemplares, que o custo final é o mesmo. Desta forma, pode-se criar livro a livro, dando margem para extrema personalização do material.

Vantagens de um modelo distribuído

Já que os livros são feitos um a um, existem diversas vantagens neste modelo:

  • Há necessidade de estoque é mínima, com pouco risco de encalhe, pois a produção pode ser feita conforme uma demanda.
  • Alta personalização do exemplar
  • Baixo investimento
  • Já que o risco é baixo o custo torna-se acessível, ou seja: livros mais baratos
  • Modelo mais inclusivo de produção intelectual
  • Os participantes estão junto da comunidade (moram onde comercializam), fazem parte dela e sabem quais suas necessidades, podendo supri-la em termos de informação

Criar, manter e ampliar uma editora artesanal é simples, nós estamos dando o pontapé inicial na Monstro dos Mares, mas você pode pegar essas ideias e começar a sua cooperativa de trabalho, editora doméstica, artesanal ou mesmo se juntar a nós. Vamos em frente!

¡A Las Barricadas!
Inspirado no artigo publicado no CMI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*