Coletivos Anarquistas em Porto Alegre (Clipping)

Logo após os episódios da chamada “Operação Érebo”, que busca criminalizar a anarquia e o anarquismo, recebemos um e-mail de um estudante de jornalismo interessado em realizar entrevista sobre a atuação de nosso coletivo publicador. Obviamente, devido ao momento em que estávamos vivendo, não aceitamos participar de tal entrevista mas respondemos de maneira discreta algumas perguntas do jovem repórter. Segue transcrição:

Olá! Tudo bem?

Meu nome é Daniel e sou estudante de jornalismo da UniRitter. Estamos
 produzindo uma matéria sobre coletivos disruptivos e gostaríamos de
 fazer algumas perguntas para vocês.

Quando e por que surgiu o coletivo??
 Quais são os ideais seguidos??
 Qual a forma de trabalho??
 Qual a relação do coletivo com dinheiro??

Aguardo retorno.

Abraços!

Daniel da Silveira Fagundes
 Telefone: xxxxxx

E de maneira bem desconfiada enviamos nossa resposta bem evasiva, afinal não estávamos interessados em amplas verificações de segurança ou confirmações se o cara era estudante mesmo ou não e todas as luzes da paranoia estavam acesas.

Salve Daniel, em nosso site tem algumas respostas.

https://monstrodosmares.milharal.org/editora/

sobre a questão da relação com o dinheiro, sugiro que você pesquise
 sobre o espanhol "Buenaventura Durruti" ele é a nossa referência sobre
 economia, recursos e formas de capitalização. Nós fazemos mais livros
 com o dinheiro dos livros. É isso.

Abração.

Hoje localizei a matéria publicada no Médium e devo reconhecer que esquivar-se das respostas mais objetivas talvez seja sempre a melhor alternativa para nossos meios. Acompanhe o trecho selecionado da reportagem sobre nosso rolê:

A relação da editora Monstro dos Mares com o dinheiro é influenciada 
pelos pensamentos de um dos maiores símbolos da Anarquia no mundo, 
o espanhol Buenaventura Durruti. Ele participou do assassinato do 
Arcebispo de Salamanca e lutou na Guerra Civil espanhola contra as 
forças do General Franco. Durruti não escreveu livros, nem contribuiu 
diretamente com a Teoria do Anarquismo, mas até hoje é um dos maiores
símbolos do movimento. Sua história rendeu vários livros e até um 
filme chamado “Buenaventura Durruti, anarquista”, de 2000. 
Quando perguntados sobre o que fazem com o dinheiro, a Monstro dos 
Mares responde 
“Nós fazemos mais livros com o dinheiro dos livros. É isso”.

Você pode conferir a matéria completa neste link:

View story at Medium.com

 

Monstro dos Mares no 2º Faça Você Mesmx – Zine Festival

996054_771063699574313_470515771_n(1)

A Monstro dos Mares participou do 2º Faça você mesmx – Zine Festival e voltamos cheios da energia libertária que rolou por lá!! Levamos o “Cultura de Segurança” e uma reimpressão do #00 do Leviatã de Papel. As trocas foram muito generosas!! O espaço de dádiva estava repleto de zines excelentes, sempre repostos conforme o pessoal ia pegando, a programação estava muito boa, com zineiros tarimbados dividindo suas experiências!

Zines são a literatura cinzenta do underground. Nesse caso o adjetivo “cinzenta” define bem a forma como são produzidos e circulam os zines, do lado de fora dos mercados editoriais, da publicidade e da imprensa, de forma subterrânea, público geralmente pouco amplo e local. Mas, se a caminhada dos zines tem esse aspecto “cinzento”, também tem outro, cheio de cores: o dos laços de comunidade que unem os zineiros.

Participar de eventos de zine é sempre compartilhar ideias, caminhos, lutas, erros e acertos, posicionamentos e esperanças. Seja nos zines políticos radicais, seja nos mais introspectivos e pessoais, essa troca é sempre rica e generosa.

Quadrinhos, poesia, arte, denúncia, utilidade comunitária, mitologias pessoais… Nesse canal alternativo, transita um tipo de informação que não se acha por aí. Nas páginas xerocadas com gravuras, desenhos colagens e textos reside um universo não mencionado em outros lugares, uma vasta paisagem, habitada pelas vontades, medos, crenças, estéticas e poéticas mais viscerais e legítimas da humanidade.

Um festival de zines é uma zona autônoma. É um veículo de uma ética, a ética da destruição do mundo e da reconstrução de outro, onde a liberdade e a criatividade sejam a única lei!

Calendário de Novembro

acao-autonoma

A Editora Artesanal Monstro dos Mares + AntiEditora Editora Libertária, estarão presentes em diversos eventos no mês de Novembro, graças a boa vontade das pessoas que participam deste coletivo publicador em se deslocar por aí e/ou ajudar com doações para custear viagens e impressões de mais e mais exemplares.

– dia 10, Feira do Livro Anarquista de São Paulo
– de 11 a 13, Colóquio Internacional Ciência e Anarquismo da USP
– dias 14, 15, 16 e 17, Aldeia Caiana, Vera Cruz, RS
– dias 15, 16 e 17, IV Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre
– dia 15, Festival Eu Quero é Rock II, Cachoeira do Sul, RS
– dia 16, Lançamento e conversa sobre O ANARQUISMO E SUAS ASPIRAÇÕES, Porto Alegre, RS
– dia 24, Vandalismo Cultural, Pindamonhangaba, SP (http://vai.la/3gi8)

Pedidos, encomendas, doações e informações por inbox ou através do e-mail monstrodosmares@riseup.net

OcupaPOA: Ocupar o Mundo

OcupaPOA sede do primeiro encontro mundial do movimento Occupy na América Latina

Aos 38 dias de ocupação na Praça da Matriz, o OcupaPOA recebeu pessoas de vários lugares do mundo, unindo suas lutas, angústias e filosofias contra os atuais sistemas excludentes e desiguais. O OcupaPOA, nesses dias de resistência, foi sede do primeiro encontro mundial do movimento Occupy na América Latina. Com mais de 70 participantes na atividade, estiveram presentes ativistas dos Estados Unidos, França, Grécia, Londres, Suécia e Tunísia, além de integrantes da Ocupa de Brasília.

Essa troca de experiências, informações, dores, sabores e vitórias foi possível devido às falhas no sistema de apropriação política por parte de eventos realizados nesta semana (24/29 de Janeiro). Xs ocupantes conversaram durante 5 horas nas sombras do Guarapuruvú e do Flamboyant Vermelho em frente ao acampamento. As traduções simultâneas e o almoço coletivo surgiram de forma orgânica.

As evidentes diferenças de idioma, realidade econômica e cultural das mobilizações são reconhecidas, bem como as semelhanças na identificação dos agentes opressores, motivações, ideias e iniciativas dos coletivos. As preocupações locais que deram início às ocupações uniram-se em causas comuns como a democracia real, anti-capitalismo, questões ambientais (agronegócio, alimentos transgênicos, o novo código florestal e a construção de usinas hidrelétricas), a luta das classes trabalhadoras, liberdade, apartidarismo, ação direta.

Pessoas do mundo, ocupem as ruas e façamos o futuro hoje!

como foi a 2a feira do livro anarquista de porto alegre?

Imagens das atividades que aconteceram durante a 2a Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre, em novembro de 2011, produzido pelo coletivo Anarco Filmes.

* Veja um relato sobre a feira em www.anarcopunk.org/imprensamarginal
* Veja fotografias, áudio de debates e a programação completa em flapoa.deriva.com.br

Fonte: anarcopunk.org

2ª Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

Nos dias 11, 12, 13 e 14 de Novembro, acontecerá em Porto Alegre a tão esperada 2ª Feira do Livro Anarquista!

O evento, como no ano passado, será marcado por bate papos, oficinas, livros, zines, filmes, intervenções, contatos e amizades, enfim, vivências em geral que tanto contribuem para a nossa aproximação enquanto anarquistas.

A feira acontece paralelamente à feira institucional do livro aqui da cidade. A idéia é aproveitar a atmosfera literária com o intuito de divulgar e aproximar mais pessoas das idéias anarquistas, apresentando o anarquismo como uma alternativa real ao capitalismo, suas crises e suas guerras.

Este ano também estará acontecendo, nas noites do evento, o Dissidência MuzikFesto, um festival com bandas de várias partes do brasil, e também bandas locais.

Participe fomentando afinidades, celebrando a resistência e a história de luta anarquista global!

Para mais infos, cheque flapoa.deriva.com.br
ou entre em contato através do endereço 2flapoa@libertar.se

Locais:
Livros e atividades ao ar livre: Travessa Venezianos das 14h até as 20h
Oficinas: Moinho Negro (Rua Marcilio Dias 1463 (veja no site oficinas e horários)