Coloque seu zine para navegar

oceano

Atenção artilheiro
Três salvas de tiros de canhão
Em honra aos mortos da Ilha da Ilusão
Durante a última revolução do coração e da paixão
Apontar a estibordo… Fogo!
Orquídea Negra – Zé Ramalho

O coletivo libertário de publicações Editora Artesanal Monstro dos Mares convoca fanzineirxs para embarcarem em nossa próxima aventura pelos 7 mares das palavras. Estamos desenvolvendo um serviço de distribuição de zines através dos correios e coletivos participantes.

Mensalmente serão enviadas caixas contendo 400gr de papel e tinta, dependendo da quantidade de páginas de cada zine selecionado, estimamos que as pessoas receberão entre 10 e 20 publicações. As embalagens serão artesanais e colecionáveis, sendo que todo mês terão uma pintura personalizada. A arte da bagaça já está em desenvolvimento aqui em nosso espaço, numa garagem de Cachoeira do Sul (RS).

O valor do serviço ainda não está definido mas já temos algumas considerações importantes à fazer, uma vez que não haverá nenhum centavo de lucro envolvido. Nosso objetivo é colocar mais e mais zines para rolar, chegar nas mãos de pessoas, coletivos, banquinhas, distros e colecionadores. Todos os recursos arrecadados serão utilizados na captação de acervo, manutenção da zineteca do coletivo, impressão de mais zines, fundo de incentivo à novas publicações da editora e claro, muitas despesas de correios.

Por isso convidamos pessoas, grupos, coletivos, federações, redes, turmas, bandos e bandas que tenham zines, mesmo aqueles engavetados, para enviarem ao nosso coletivo e serem distribuídos num tsunami de caixinhas flutuando nos mares de palavras. Recentemente resgatamos duas máquinas fotocopiadoras do descarte e assim que possível elas vão trabalhar a todo o vapor para enviar zines para todo o país.

Para jogar sua contribuição nessa barca, basta preencher o formulário na página de envio de zines e aguardar o retorno, assim que o seu zine for incluído em uma das caixas, você receberá um e-mail solicitando o endereço de entrega para levarmos para sua casa as publicações da mesma forma que chegarão nas casas de todxs xs assinantes do serviço de distribuição.

Caso você tenha interesse em receber os zines na sua casa, basta espiar à bombordo e aguardar novos post aqui no blog, a previsão de lançamento do serviço é para o mês de Abril, com a primeira postagem nos correios para o primeiro dia útil de Maio e assim sucessivamente. Se não der para aguentar a ansiedade, não tem problema, basta entrar em contato conosco através do We. ou em nossa página no fachobook ou por e-mail (nossos piratas são viciados em internet e respondem bem rápido).

Ahoy!

Veja como foi: Oficina de zines em Cachoeira do Sul

1544566_459843844117907_565705258_n
No dia 18 de Janeiro, atendendo ao convite do Movimento Feminista de Cachoeira do Sul, a Editora Artesanal Monstro dos Mares, com o apoio da Rádio Caruncho FM Livre, realizou uma oficina de zines. Na ocasião foram apresentados os conceitos básicos do que é fanzine, um pouco de sua história, exibição do documentário “Fanzineiros do Século Passado“, roda de bate-papo, oficina, exposição, vendas e logicamente a oficina de como fazer zines.

I used to say that I was dumb I couldn’t do the things he could
But listen here you boy I don’t need nothing from you
Don’t buy a zine that says to you that you have to wear make up
Don’t buy a zine that says to you that you have to lose some weight
They think that life’s a surrender and so am I.
And I think it’s time to make a choice do something good in your life.
I need no boys I can use my own mind. D need nothing from you. didn’t learn anything today don’t wanna go to school. I can learn with the news I can learn reading a book. don’t buy a zine that says to you
“What’s wrong about playing with boys”.
Don’t buy a zine that says to you “the world is made of love and joy”
♬ Dominatrix – No Make Up Tips

O evento que iniciou as 17h, se foi até próximo das 22h, quando vencidos pelo cansaço, foram recolhidos os equipamentos. A exibição do documentário e a roda de conversas foram bastante significativas para as pessoas compreenderem os processos da fanzinagem com instrumento de publicação alternativa, marginal e pedagógica de baixíssimo custo. A autonomia proporcionada pelos zines também ficou bastante evidente com a exibição do documentário, mas ficou ainda mais evidente ao apresentar a sua utilização em sala de aula.

A Feira Livre Municipal de Cachoeira do Sul mostrou-se mais uma vez ser um equipamento cultural amplo e diversificado, que merece maior atenção e utilização por parte de grupos, coletivos e movimentos. Uma vez que o espaço fornece em suas instalações a luz, água, energia elétrica e amplo espaço de convivência.

Estamos sempre dispostos em partilhar conhecimentos e contribuir no empoderamento de mulheres em qualquer atividade social e humana.

Racha Macho!

Fanzineiros do Século Passado – Capítulo 3 (full) from Márcio Sno on Vimeo.

Monstro dos Mares no 2º Faça Você Mesmx – Zine Festival

996054_771063699574313_470515771_n(1)

A Monstro dos Mares participou do 2º Faça você mesmx – Zine Festival e voltamos cheios da energia libertária que rolou por lá!! Levamos o “Cultura de Segurança” e uma reimpressão do #00 do Leviatã de Papel. As trocas foram muito generosas!! O espaço de dádiva estava repleto de zines excelentes, sempre repostos conforme o pessoal ia pegando, a programação estava muito boa, com zineiros tarimbados dividindo suas experiências!

Zines são a literatura cinzenta do underground. Nesse caso o adjetivo “cinzenta” define bem a forma como são produzidos e circulam os zines, do lado de fora dos mercados editoriais, da publicidade e da imprensa, de forma subterrânea, público geralmente pouco amplo e local. Mas, se a caminhada dos zines tem esse aspecto “cinzento”, também tem outro, cheio de cores: o dos laços de comunidade que unem os zineiros.

Participar de eventos de zine é sempre compartilhar ideias, caminhos, lutas, erros e acertos, posicionamentos e esperanças. Seja nos zines políticos radicais, seja nos mais introspectivos e pessoais, essa troca é sempre rica e generosa.

Quadrinhos, poesia, arte, denúncia, utilidade comunitária, mitologias pessoais… Nesse canal alternativo, transita um tipo de informação que não se acha por aí. Nas páginas xerocadas com gravuras, desenhos colagens e textos reside um universo não mencionado em outros lugares, uma vasta paisagem, habitada pelas vontades, medos, crenças, estéticas e poéticas mais viscerais e legítimas da humanidade.

Um festival de zines é uma zona autônoma. É um veículo de uma ética, a ética da destruição do mundo e da reconstrução de outro, onde a liberdade e a criatividade sejam a única lei!