Dulcinéia Catadora: O fazer do livro como estética relacional

Por Livia Azevedo Lima* em trecho publicado em Akademia Cartonera

dulcineia-cartonera

Dulcinéia Catadora é um coletivo formado por artistas plásticos, catadores e filhos de catadores que produz livros com capas de papelão, pintadas à mão, e, além disso, realiza oficinas, instalações, ocupações de espaços culturais, como bibliotecas, e intervenções urbanas.

O projeto derivou do coletivo Eloísa Cartonera, criado em março de 2003 pelo artista plástico Javier Barilaro e pelo escritor Washington Cucurto, em Buenos Aires, Argentina. Com intensa atividade editorial, o grupo argentino possui um catálogo com mais de 100 títulos, entre autores novos e consagrados. Conquistou reconhecimento artístico e social, cuja expressão pode residir no convite para participar da 27ª Bienal de São Paulo, em 2006, com curadoria de Lisete Lagnado, com título derivado da obra de Roland Barthes “Como viver junto”. Durante a Bienal, formou-se um atelier em funcionamento permanente. Ao grupo argentino somou-se a participação de catadores, filhos de catadores e artistas brasileiros, com mediação da artista plástica paulista Lúcia Rosa, que já trabalhava com material reciclado. A partir deste contato, e do envolvimento e trabalho de Lúcia Rosa, formou-se o projeto-irmão, Dulcinéia Catadora, que começou a funcionar no Brasil a partir de 2007.

O nome Dulcinéia Catadora é uma homenagem à catadora Dulcinéia, mas também é o nome da personagem feminina do livro “Dom Quixote de la Mancha”, de Miguel de Cervantes. O papelão usado na confecção dos livros é comprado da cooperativa Coopamare por R$1,00 o quilo, valor cinco vezes maior do que o praticado usualmente para efeito de reciclagem. Os livros são feitos com miolo fotocopiado em papel reciclado; encadernação simples, grampeada ou costurada; colados na capa de papelão pintada à mão com guache. A diagramação é feita pelos artistas e escritores e a seleção dos textos, por um conselho editorial formado por escritores que colaboram com o projeto e se alternam neste trabalho, como Carlos Pessoa Rosa, Rodrigo Ciriaco, Flávio Amoreira e Douglas Diegues, este último também colaborou para o coletivo Eloísa Cartonera e fundou, em 2007, a cartonera Yiyi Jambo, no Paraguai.

A seleção dos textos leva em consideração não apenas a qualidade literária e o conteúdo, como também o caráter sociopolítico, priorizando aqueles que atentem para as minorias sociais. Os autores cedem os textos, mediante autorização escrita e recebem, em contrapartida simbólica, cinco livros de sua autoria. Todos os livros podem ser traduzidos para o espanhol e divulgados por outras células do projeto na América Latina, (são elas): Animita Cartonera (Chile), Eloísa Cartonera (Argentina), Felicita Cartonera (Paraguai), Kurupí Cartonera (Bolívia), Mandrágora Cartonera (Bolívia), Nicotina Cartonera (Bolívia), Santa Muerte Cartonera (México), Sarita Cartonera (Peru), Textos de Cartón (Argentina), Yerba Mala Cartonera (Bolívia), Yiyi Jambo (Paraguai) e La Cartonera (México).

Essa rede de projetos pares que se formou na América Latina é um caminho alternativo ao mercado de arte e ao mercado editorial. O escritor que não conseguia se inserir em uma grande editora, agora tem a possibilidade de ser editado e o seu texto poderá circular por diversos países. Da mesma forma os catadores e os filhos de catadores que participam da oficina se abrem para novas possibilidades profissionais e desenvolvem seu potencial artístico. A soma desses esforços orientados para um objetivo comum, apesar de cada projeto possuir suas especificidades, denota, politicamente, a busca por autonomia e, esteticamente, a realização de um trabalho artístico que está focado no resultado das trocas entre os indivíduos que o produzem. As atividades do atelier geram renda, mas, sobretudo, promovem a autoestima e o intercâmbio de experiências entre pessoas com origens e repertórios diversos, que ali se encontram, em um espaço aberto, para o exercício do prazer de criar.

Livia Azevedo Lima cursa o terceiro ano da graduação em Comunicação Social com ênfase em Produção Editorial e Multimeios na Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Brasil. Escreve ficção e trabalha como estagiária de pesquisa no Núcleo de Documentação e Pesquisa do Instituto de Arte Contemporânea, em São Paulo.

Modelo editorial colaborativo: uma forma coletiva de fazer e distribuir livros

cartoneria en brandsen

Foto: pessoal da Editora Eloísa Cartonera em Brandsen

Sim! existem muitas pessoas que sabem e gostam encadernar livros, e também muitos escritores interessados em público. Nosso único desejo é de criar uma forma de intercâmbio entre estas pessoas, e se possível entre elas e os leitores.

Uma editora colaborativa como a Monstro dos Mares é um conceito, não uma instituição. Assim, não existe apenas uma única forma para fazê-la existir. A ideia básica é que os escritores criem conteúdo, repassem para os encadernadores, e estes, confeccionem o livro-objeto de forma artesanal, que em breve estará nas mãos dos leitores. Basta então tornar possível esta união, mais ou menos assim:

  • Que o leitor possa solicitar os livros que quer ler, pagando um preço justo por ele.
  • Que o encadernador tenha acesso à obra do autor, de forma que possa imprimi-la e enviá-la ao leitor, recebendo sua parte pelo trabalho exercido.
  • Que autor e encadernador possam criar uma relação de cooperação, onde o autor escreve e envia seus livros para os encadernadores, e recebe sua parte devida.

O processo é simples: depois de definida a edição, a Monstro dos Mares recebe do autor o texto no formato bruto, imprime, encaderna e envia aos pontos de venda. Quando vendidos, o montante dos recursos conquistados são repartido entre vendedor, autor, editora e fundo de lançamento de novas publicações.

Confecção artesanal de livros

A encadernação de um livro, no formato tradicional, pode ser feita simplesmente prendendo as folhas e passando cola. O material pode ser impresso por computador, ou simplesmente a partir de tradicionais fotocópias. O procedimento é simples:

  1. O autor cria o conteúdo
  2. O texto é editado utilizando um processador de texto comum ou software de editoração eletrônica
  3. O material é impresso
  4. As folhas são cortadas, usando uma tesoura, estilete e régua ou guilhotina
  5. As páginas são coladas ou costuradas
  6. A capa é anexada ao conjunto
  7. Registra-se com um carimbo o número do exemplar

O custo é acessível, pois o maquinário varia de uma tesoura a um computador com impressora. O mais importante é que neste método o custo por exemplar é “plano”, ou seja, tanto faz um ou um milhão de exemplares, que o custo final é o mesmo. Desta forma, pode-se criar livro a livro, dando margem para extrema personalização do material.

Vantagens de um modelo distribuído

Já que os livros são feitos um a um, existem diversas vantagens neste modelo:

  • Há necessidade de estoque é mínima, com pouco risco de encalhe, pois a produção pode ser feita conforme uma demanda.
  • Alta personalização do exemplar
  • Baixo investimento
  • Já que o risco é baixo o custo torna-se acessível, ou seja: livros mais baratos
  • Modelo mais inclusivo de produção intelectual
  • Os participantes estão junto da comunidade (moram onde comercializam), fazem parte dela e sabem quais suas necessidades, podendo supri-la em termos de informação

Criar, manter e ampliar uma editora artesanal é simples, nós estamos dando o pontapé inicial na Monstro dos Mares, mas você pode pegar essas ideias e começar a sua cooperativa de trabalho, editora doméstica, artesanal ou mesmo se juntar a nós. Vamos em frente!

¡A Las Barricadas!
Inspirado no artigo publicado no CMI