Cibernética, Anarquismo e auto-organização

LANÇAMENTO: Cibernética, Anarquismo e auto-organização John Duda Tradução de Felipe Drago 32 páginas O renascimento e a reinvenção da teoria anarquista na segunda metade do século XX partilhou sua fase conceitual com o aparecimento da cibernética. Tendo em consideração as obras de Sam Dolgoff, John McEwan, Gray Walter, Paul Goodman e Gregory Bateson, entre outros, destaco alguns momentos-chave em que os novos conceitos científicos de sistemas, causalidade circular e auto-organização, encontraram seus caminhos em direção à teoria antiautoritária. Ao desenredar as múltiplas vertentes deste complicado encontro entre o anarquismo e a ciência do século XX, podemos entender melhor a genealogia das noções contemporâneas em torno da auto-organização, das redes e do horizontalismo, assim como evitar algumas das armadilhas enfrentadas pela geração anterior, encontrando, assim, inspiração em algumas das vias oferecidas por esta interseção ainda não totalmente explorada. www.monstrodosmares.com.br

A post shared by Editora Monstro dos Mares (@monstrodosmares) on

Cibernética, Anarquismo e auto-organização
John Duda
Tradução de Felipe Drago
32 páginas

O renascimento e a reinvenção da teoria anarquista na segunda metade do século XX partilhou sua fase conceitual com o aparecimento da cibernética. Tendo em consideração as obras de Sam Dolgoff, John McEwan, Gray Walter, Paul Goodman e Gregory Bateson, entre outros, destaco alguns momentos-chave em que os novos conceitos científicos de sistemas, causalidade circular e auto-organização, encontraram seus caminhos em direção à teoria antiautoritária. Ao desenredar as múltiplas vertentes deste complicado encontro entre o anarquismo e a ciência do século XX, podemos entender melhor a genealogia das noções contemporâneas em torno da auto-organização, das redes e do horizontalismo, assim como evitar algumas das armadilhas enfrentadas pela geração anterior, encontrando, assim, inspiração em algumas das vias oferecidas por esta interseção ainda não totalmente explorada.

Bicicletada do Dia Mundial sem Carro de Cachoeira do sul

O Editora Artesanal Monstro dos Mares convida você para viver a cidade de uma forma diferente. Com a Bicicletada, reconhecemos a bicicleta como veículo ecológico de autonomia humana no transporte individual, é um instrumento da revolução verde e peça importante para humanização do trânsito cada vez mais caótico em todas as cidades.

O Dia Mundial Sem Carro é um movimento que começou em algumas cidades da Europa nos últimos anos do século 20, e desde então vem se espalhando pelo mundo, ganhando a cada edição mais adesões nos cinco continentes. Trata-se de um manifesto/reflexão sobre os gigantescos problemas causados pelo uso massivo de automóveis como forma de deslocamento, e um convite ao uso de meios de transporte sustentáveis, entre os quais a bicicleta é a grande vedete.

Organize-se e faça sua parte!

[debate] Liberdade, Internet e Participação

Chegou a hora de mais um dos nossos bate-papos com cervejinhas.
Será no próximo sábado, dia 26 de março, às 17 horas, na esquina colorida do @metassocial.

Os eixos temáticos do debate serão a Liberdade, a Internet e a Participação, e o bate-papo vai rolar sob a inspiração da metodologia Speed Geeking.

  • Os regimes despotistas e a internet
  • Os princípios da Liberdade
  • O que é Internet Livre?
  • Quais são as leis brasileiras sobre a internet?
  • O que é participação em rede?
  • Apresentação de movimentos brasileiros:

Mozilla Drumbeat
Repórter sem Fronteiras
Centro de Mídia Independente [CMI]
Movimento Brasil Aberto
Artigo 19
Transparência HackDay
Casa da Cultura Digital
Fórum da Cultura Digital
Riseup.net
Protopia
Observatório Social de Florianópolis
Movimentos autônomos e anônimos
Rádio Tarrafa
Mega Não!
Metareciclagem

  • Iniciativas locais e o que podemos fazer?
  • Do It Yourself {DIY} [Faça você mesmo]

Após o bate-papo, tomaremos as nossas cervejinhas e ouviremos boa música, como sempre.

Hey ho, let’s go!
Manoel Severino Oliveira, 19
Lagoa da Conceição, Florianópolis

Foto: Brendan Clark (cc)