31 de maio: um dia decisivo – luto pela democracia!

Luiz Henrique, militante do Movimento Passe Livre, está de joelhos e braços levantados no meio da Beira-Mar Norte, a mais movimentada avenida de Florianópolis. O policial se aproxima, imobiliza o estudante no chão e acerta três socos em seu rosto. Outros policiais lançam bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e bombas de efeito moral contra os dez mil manifestantes que correm para todos os lados, em meio aos carros. Luiz Henrique desmaia e fica inconsciente por vários minutos. Isso aconteceu no dia 31 de maio de 2005 e a cena está no documentário Amanhã Vai ser Maior.

Exatamente cinco anos depois, em 31 de maio de 2010, a Polícia Militar invadiu a UDESC, Universidadedo Estado de Santa Catarina, e prendeu estudantes que protestavam contra o aumento da tarifa do transporte coletivo. Os policiais utilizaram gás de pimenta e armas de choque de maneira indiscriminada, atingindo universitários, fotógrafos e quem mais estivesse pela frente. Dias depois, entrevistei o então secretário de Segurança Pública que justificou a invasão e a violência policial com o seguinte argumento:“Nós entramos na UDESC para pegar pessoas que praticaram crimes” e comparou os estudantes a assassinos. Questionado sobre o uso das armas de choque, disse: “é melhor levar um choque do que ser atingido por um cassetete na cabeça, que pode causar uma fratura, portanto, o uso de armas de choque em movimentos sociais, em algumas ocasiões, é justificável”. As cenas da invasão, a entrevista e outros flagrantes de ignorância estão no documentário Impasse.

Os socos do policial e a invasão da UDESC são fatos de um mesmo enredo que toma conta da cidade há mais de uma década. Florianópolis tornou-se um símbolo no país na luta por um transporte coletivo de qualidade. Este ano, outra vez em abril e maio, os estudantes voltaram às ruas. O embrião dessa história é aCampanha pelo Passe Livre estudantile desemboca nas grandes revoltas populares de 2004 e 2005. Revoltas históricas que pararam a cidade e impediram o aumento da tarifa.Neste ínterim, a lei do Passe Livre foi aprovada pela Câmara de Vereadores e vetada pelo Executivo, foi criado o Movimento Passe Livre (MPL) no Fórum Social Mundial e os estudantes passaram a ter visibilidade e força política. A luta do MPL se espalhou pelo Brasil e hoje está presente em Joinville, Curitiba, São Paulo e Brasília. Vem se rearticulando em Vitória, Fortaleza, Manaus, entre outras cidades.

Por Fernando Evangelista – Frente de Luta pelo Transporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*