Livros não são provas de crimes! [[[A]]]

Devido ao espampanante da mídia corporativa em criminalizar anarquistas e invisibilizar as ações da Operação Zelotes, a Editora Monstro dos Mares vem através deste informe se posicionar em defesa da publicação de livros de verve anarquista, independente de seus conteúdos. Temos a plena convicção de que livros não podem ser utilizados como provas de crimes de qualquer natureza, livros são ideias, possibilidades, memórias, sonhos, ficções e utopias, crimes não são. Não há (ainda) no Código Penal Brasileiro o crime tipificado “portava livros” e por isso rechaçamos a matéria apresentada pelo Fantástico da Venus Platinada Rede Globo de Televisão e colocamo-nos na mais estreita solidariedade às pessoas, organizações e espaços culturais libertários atacados nessa operação apresentada e que mais uma vez caberão às editoras ter de defender o livro e seus significados. Cada qual ao seu modo.

Um delegado que não serve a uma ditadura e apreende um livro é porque tem a vocação do autoritarismo. E nenhum respeito por um livro.”Ivan Pinheiro Machado
Blog da LP&M Editores, 27 junho 2013 às 9h56min.

Nossa editora possui em sua origem, trajetória e práticas, as ideias identificadas com o anarquismo sem adjetivos, sem tradições, limites, habitus ou campus. Buscamos no anarquismo uma epistemologia, uma ética-prática, um modo de agir no mundo que há, com todos os seus defeitos, guerras, agrotóxicos, sonegação previdenciária, lamas tóxicas, ecocídios, presídios e gentrificações.

Entendemos que ao fazer livros, também fazemos o possível para não sustentar patrão, não morrer de fome ou apodrecer nas cadeias, hospitais, porões e todo tipo de aprisionamento de nossos corpos, mas exercendo ideias livres e libertárias que vão além do voto, das representações binárias de performatividade de gênero, da idealização capitalista de desenvolvimento ou progresso e de todas as relações de poder envolvidas nessa tentativa de trancar-nos em rótulos e comportamentos que simplesmente não nos dizem respeito: Vândalos, criminosos, extremistas, clandestinos, ilegais…

Somos pessoas conectadas com o pressuposto ontológico da edução e nossos livros transmitem aprendizados, conceitos e conhecimentos que almejam agora, um amanhã possível, onde mulheres possam se sentir seguras em qualquer lugar, onde professoras possam ensinar aquilo que pesquisam com entusiasmo. Nossas urgências por justiça social querem jovens negros vivos em vez de licitações fraudulentas e superfaturadas de presídios, atuamos para que o meio ambiente não seja somente a nova religião dos publicitários e administradores de negócios que se ocuparam em esgotar os recursos naturais deste planeta. Não queremos pessoas agredidas com lâmpadas fluorescentes na Avenida Paulista ou amarradas em um poste em qualquer lugar. Não queremos a polícia que mais mata no universo, tampouco o título de campeões da soja ou sequer aplaudiremos o agronegócio que vive de matar animais e indígenas para alimentar essa raça “humana”.

Nós sabemos quem somos, o que queremos, o que fazemos e como fazemos. Nossos livros são ideias, possibilidades, memórias, sonhos, ficções e utopias que promovem um modo disruptivo da nossa presença no mundo e confiamos numa prática transgeracional de educação e libertação de todas as existências.

Nós somos o capítulo que virá, a página que já foi e o verbete carregado de significados. Queremos um mundo com justiça social e liberdade. Para alcançar esse vir-a-ser fazemos livros que são criados por pessoas que compartilham de nossas ideias, práticas e éticas.

Agora basta você esticar os braços, tinta, papel e tornar-se uma editora também.
Livros e Anarquia!

Editora Monstro dos Mares
União da Vitória – PR
31 de Outubro de 2017, quase 18 anos depois de Seattle N-30.

História de Direitos Negados: memórias dos atingidos de Acauã

Com a construção da barragem de Acauã em 1999, no estado da Paraíba, a população da região alagada foi compulsoriamente deslocada e passou a conviver com transformações nas estruturas físicas de suas comunidades e em seu modo de viver. Os relatos orais dos homens e mulheres da região e a organização do movimento dos atingidos pela barragem são exemplos de uma resistência possível, formada por narrativas e memórias violadas pelo projeto de desenvolvimento que modificou a condição de ser de muitas pessoas.

Sobre o Autor:
Emeson Tavares da Silva é historiador e cientista social, Mestre em História, Poder e Práticas Sociais e Doutor em História Social. Professor do colegiado do curso de Filosofia da Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e da Escola Superior de Aviação Civil (ESAC). Desenvolve pesquisa na área de Trabalho, Movimentos Sociais, Memórias, Cidades, Pós-Modernidade e Formação de Professores.

História de Direitos Negados: memórias dos atingidos de Acauã
Emeson Tavares da Silva
Editora Monstro dos Mares
ISBN: 978-85-68845-07-3
Edição artesanal, 172 páginas, capa em papel vergê na cor palha.


Como comprar:
R$24,00 + 10 frete através do Pagseguro, basta clicar neste link: https://pag.ae/bdpVcb9

Anarquistas contra o muro

Hoje é Yom Kipur, o dia do perdão para o judaísmo. Sabemos que muitos judeus não concordam com a grave situação de extermínio na Faixa de Gaza e com a terrível opressão ao soberano povo da Palestina.

Em função disso, promovemos o download do zine “Anarquistas contra o muro (רדגה דגנ םיטסיכרנא)” para somarmos aos esforços de ampliação do debate, compreensão e posicionamento firme contra os governantes que promovem esta guerra territorial e extermínio étnico.

Palestina Livre!
Awalls

Anarquistas contra o muro, download,

 

Ajude a localizar Brian

Compa Brian está desaparecido faz cerca de 30 dias. Ele precisa de sua ajuda, seja como for. 

Diversas pessoas de vários rolês conhecem Brian e sabem que não há de haver qualquer sacanagem neste chamado, trata-se de uma pessoa muito querida por todas nós, por diversos motivos. Brian compartilha aquilo que sabe, tem sempre disposição para chegar junto, faz você confiar que viver em resistência é um encantamento. Talvez você não conheça, mas temos certeza que de alguma maneira você poderá ajudar nesse corre. Este é um chamado importante e urgente!

Pessoas que gostam e admiram Brian querem sua volta, querem informações e querem compartilhar com outras pessoas notícias sobre essa busca. Amizades, vizinhos, parentes, grupos, bandos, bandas, rolês, coletivas, muitos de nós estamos surpresos e dispostos em fazer o que for necessário para conseguir informações que dêem conta de sua localização imediata.

Foi criado um blog para dar conta dessas informações, se você puder ajudar, por favor acesse o endereço  https://buscandobrian.wordpress.com/, qualquer notícia é importante. Também está sendo realizado um chamado de apoio financeiro para ampliar as buscas, uma vez que por morar numa região de difícil acesso, todo esforço é complicado e precisa de recursos. As informações de como colaborar estão no blog.

Ciberfeminismo: Tecnologia e Empoderamento

Desde que deixou os laboratórios das universidades e outros centros de pesquisa e tecnologia – tradicionalmente ocupados por homens cis, brancos, hetero, e membros da elite econômica –, a Internet se constrói como um local que, ao mesmo tempo, abriga (re)produção de discursos misóginos e tem o potencial de ser uma ferramenta poderosa para o enfrentamento daqueles mesmos discursos.

A coletânea que apresentamos agora começou a tomar forma em 2015, quando a Editora Monstro dos Mares realizou uma chamada pública de artigos sobre o ciberfeminismo. Os textos recebidos foram selecionados e organizados em um panorama que mostra alguns desdobramentos da militância feminista no ciberespaço, que o compreendem como zona fértil para a proliferação do poder feminino através da apropriação dos meios tecnológicos e sua transformação em ferramentas de luta.

Autoras:

<Claire L. Evans>
<Talita Santos Barbosa>
<Tatiana Wells>
<Jarid Arraes>
<Fhaêsa Nielsen>
<Caroline Franck + Cássia Rodrigues Gonçalves + Êmili Leite Peruzzo>
<Izabela Paiva>
<Graziela Natasha Massonetto>
<Priscila Bellini>
<Soraya Roberta, [S. R.]>

Organização:
<Claudia Mayer>

Ciberfeminismo: Tecnologia e Empoderamento
A5 (148.5 x 210 mm)
84 páginas
Capa em papel branco offset 230gr
Miolo em papel branco offset 75gr
ISBN: 978-85-68845-06-6


Como comprar:
R$ 30,00 com frete incluso através do Pagseguro, basta clicar neste link: https://pag.ae/blm4r4v

Ciberfeminismo: Agradecimentos

Em tempos em que a cultura hegemônica constrói o indivíduo sobre os débeis pilares de conquistas supostamente individuais, deixamos de perceber que é na coletividade que existimos e mutuamente nos empoderamos. 

Agradecemos a todas as pessoas que contribuíram para a realização deste livro. Foi o seu apoio que tornou possível que esta iniciativa independente, que busca alternativas à desumanização, apagamentos e silenciamentos impostos pelo mercado editorial, se tornasse realidade. 

Os textos contidos neste livro chegam ao papel e às suas mãos através da ação de financiamento coletivo no catarse.me, que começou em setembro de 2016 e encerrou em maio de 2017. Mesmo com o orçamento apertado, graças aos 78 apoios recebidos conseguimos colocar o livro para rodar.

Juntas somos mais fortes!

Autoras

  • ​Ananda Pieratti
  • Claire L. Evans
  • Caroline Franck
  • Cássia Rodrigues Gonçalves
  • Emili Leite Peruzzo
  • Fhaêsa Nielsen
  • Graziela Natasha Massonetto
  • Izabela Paiva
  • Jarid Arraes
  • Priscila Bellini
  • Soraya Roberta, [S. R.]
  • Talita Santos Barbosa
  • Tatiana Wells

Apoios

  • ​Jana de Paula
  • Manu Quadros
  • Miguel Ezequiel Fraga
  • Débora Leão
  • Felipe Garcia
  • Andre de Souza Fedel
  • Gabriela Paes
  • Fernanda Pasian
  • Carla Gottschald Chiodi
  • Margarete Almeida
  • Amanda Azevedo Nunes
  • Thiago Augusto de Siqueira
  • Rodrigo Ortiz Vinholo
  • Mariah Guedes
  • Naiana Maia Espirito Santo
  • Cristiana L de L Pires
  • Paulo Henrique Basilio Alves
  • Fabio O. de Oliveira Maciel
  • Gil Caruso
  • Thiago Carvalho
  • Alexandre Freire Borges
  • Marta Preuss
  • Ramon de Souza Cardoso
  • Gabriela Catunda Peres
  • Caroline de Souza Fróes
  • Carla Arenhart
  • Tatiana Carilo
  • Karina C Sena Gomes
  • Fábio Ruffo Marino
  • Grazi Massonetto
  • Diego de Oliveira
  • Norberto Takahashi
  • Escola de Ativismo
  • Cryptorave
  • Pedro Chaves
  • Viviane Heberle
  • Raul Santahelena
  • Paulo Roberto
  • Ivan Prado
  • Alexandre de O. Legendre
  • Gisele Nogueira
  • Jamile Santana
  • Marcia Nobue Sacay
  • Fernanda Shirakawa
  • Gabriella Amorim
  • Renata Aquino Ribeiro
  • Thais Bravin Carmello
  • Renata Scheibler
  • Fernando Silva e Silva
  • Caroline Nogueira
  • APPH
  • Jamer Guterres de Mello
  • Cláudia SM
  • Polliane Trevisan Nunes
  • Sheila Uberti Correa
  • Régis Garcia
  • Elijah Schott
  • Alice Malzac
  • Marcos de A. Nicolaiewsky
  • Leonardo Feltrin Foletto
  • Baixa Cultura
  • Janaina Menegaz Spode
  • João Pedro Azevedo Maldos
  • Coletivo Coisa Preta
  • Tiago Jaime Machado
  • Claudia Mayer
  • Laura Mayer Machado
  • Celvio Derbi Casal
  • Mariele Furlan
  • Jeronimo “Burns” Camargo
  • Cabeludo
  • Everton L Santos
  • Daniela Soares
  • Jonas Dornelles
  • Gencen Abelino
  • Paulo Capra
  • Carlos Teixeira
  • Luiz H. P. Nascimento
  • Nildo Avelino
  • Elaine Alves Barbosa

Ciberfeminismo: Os livros chegaram!

Olá pessoal,

Os livros chegaram da gráfica! Durante os próximos dias estaremos preparando os envios para quem apoiou a campanha. Algumas cidades contarão com eventos de lançamento; vocês serão avisadas/os tão logo sejam confirmados os locais e as datas.

Esta foi uma campanha longa, e algumas vezes pensamos que não iríamos ter esses livros em mãos. Mas graças ao apoio de vocês, aí estão eles.

Estamos muito satisfeitas com a finalização deste projeto. Experimentamos essa satisfação como uma forma de “desobediência emocional”, já que vivemos em uma cultura que nos impõe a insatisfação e a busca eterna por um “algo mais” que nunca chega como o motor para que se siga em frente. Ao invés de sermos movidas pela falta, sejamos impulsionadas pela satisfação de finalizar um projeto.

Seguimos em frente satisfeitas e prontas para novos projetos!

Contamos também com uma surpresa: a AntiEditora muito generosamente nos cedeu os envios dos livros às/aos apoiadoras/os. Isso nos permitiu aumentar a tiragem dos livros e, com isso, seu alcance.

Caso haja algum problema com o recebimento, pedimos que entrem em contato conosco por email ou Facebook. Teremos todos os códigos de rastreamento dos correios em mãos para quaisquer eventualidades.

Gostaríamos, também, de convidar a todas/os para conhecer a campanha de auxílio à Casa da Lagartixa Preta “Malagueña Salerosa. A casa é um espaço anarquista localizado na cidade de Santo André/SP, onde são realizadas diversas atividades, como a manutenção de uma biblioteca comunitária e de um banco de sementes, a realização de cursos comunitários livres e gratuitos, entre outras. Você pode conhecer mais sobre a Casa da Lagartixa preta aqui: https://www.youtube.com/watch?v=zXHYATEdTKo

Link da campanha: https://www.catarse.me/arrecadacao_casa_da_lagarti…

Mais uma vez, muito obrigada pelo apoio! Juntas somos mais fortes! 

Mudamos ou Fronteiras, territórios e espaços de práticas para liberdade

Depois de algum tempo se faz necessário aceitar que algumas mudanças são permanentes. Escrevemos nossa história tendo como ponto de partida as próprias trajetórias e não de pontos no mapa, nossas práticas não reconhecem fronteiras, estamos em todas as partes. Mas com muito carinho que reconhecemos nossos territórios, espaços de práticas e as marcas no acento sempre estável em cada pedaço de terra que compartilhamos com as pessoas que são próximas.
Hoje é dia de mudar nossos mapas, atualizar endereços e permanecer um pouco Desterro, um muito Cachoeira, um tanto Porto Alegre… É dar início em nossa temporada nesta cidade sem previsões para partidas, comemorar chegadas e buscar novas práticas.
Saudações União da Vitória, saudações Paraná.
Livros e Anarquia!
[[A]]

Agora Vai!

​Salve compas! Aqui quem tecla é Vertov Rox., sou umas das pessoas que ajuda a puxar a Editora Monstro dos Mares e estamos todos super-felizes em conseguirmos concluir a campanha com 60% do valor necessário inicialmente. 

Sim, tivemos muitos problemas durante toda a caminhada deste título, perdemos nosso compa Kinhuh, tivemos algumas prorrogações na chamada pública dos artigos, a campanha de financiamento coletivo demorou quase um ano para acontecer. Esperávamos muito que ela tivesse acontecido entre os meses de Setembro de 2016 para entregarmos o livro em Janeiro de 2017, mas parece que a turbulência atingiu o ano passado em cheio.

“Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro…” (Cantor que morreu)

Conseguimos atingir orçamento suficiente para realizar impressões de exemplares para todas as pessoas que apoiaram, para todas as autoras dos artigos, para a organizadora, bibliotecas libertárias e quem mais enfia a mão na massa neste rolê. Estamos aguardando o repasse do recurso por parte do Catarse para darmos início à impressão do livro. 

Já recebemos os Pendrives que vão acompanhar os livros de quem selecionou essa recompensa e no final de semana vamos gravá-los e aplicar a personalização. Quem quiser baixar o TAILS OS, um sistema operativo que promove e intensifica as proteções com a privacidade de dados, nós recomendamos fortemente.

Nós próximos dias você receberá novidades sobre o progresso do livro, informações sobre as recompensas e o cronograma dessa fase final do projeto.

Punk Rock não é só pro seu namorado!” Bulimia

Vertov Rox.
Editora Monstro dos Mares

Baixa e espalha: Por que Anarquistas não votam?

A farsa eleitoral está chegando, é hora de você entrar na corrente do “baixa e espalha“, para participar basta impressora, estilete e um grampeador para transformar tinta em diversão no dia da boca de urna.

Este é um artigo bem simples do geógrafo e anarquista francês Élisée Reclus, que o pessoal do coletivo “existe política além do voto” disponibilizou e nós criamos esse zine muito simpático para você distribuir feito “santinho”.

São 3 arquivos, um para você ler, outro para a capa e por fim o miolo. Basta imprimir a capa (pode usar papeis coloridos) e o miolo em frente e verso.

Se você não for votar, economizará o dinheiro do latão/busão, pois o valor da multa é de R$3,70. Sempre lembrando que participar dessa farsa já é facultativo:

… não esquecer que a Constituição Federal consagrou a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença em seu art. 5º, VI e VIII, sendo proibido ao Estado adotar qualquer postura que fira as convicções e crenças do indivíduo, podendo este até se recusar a cumprir determinadas obrigações que contrariem sua fé, possibilidade chamada de “escusa ou objeção de consciência”.

Bote para correr os políticos profissionais e institucionalizados do seu bairro e faça transformação social com as próprias mãos!

Saravá!